“Isto não está correto”, diz Papa Francisco a Evo Morales

Papa Francisco demonstra certo desconforto com entrega de crucifixo por parte do presidente boliviano, Evo Morales

Papa Francisco, em sua passagem pela Bolívia, durante sua visita a três países da América Latina, encontrou-se com o presidente deste país, Evo Morales. Neste encontro, o presidente boliviano o presenteou com um crucifixo estilizado com o símbolo do comunismo, com um Cristo crucificado sobre uma foice e um martelo.

A reação da Sua Santidade ao receber este presente foi de reprovação, ao que disse: “Isto não está correto”.

Após repercussão gerada em torno deste presente dado ao Sumo Pontífice, a assessoria do Vaticano se pronunciou dizendo que “a cruz não deve ser encarada com uma ideologia e sim ‘como um sinal de diálogo muito aberto com todos para a liberação e progresso da Bolívia’, na época da ditadura”.

O crucifixo foi desenhado pelo padre espanhol Luis Espinhal Camps, que era jesuíta e foi assassinado em 1980, sacerdote intimamente ligado aos movimentos sociais da Bolívia.

Durante o trajeto do aeroporto El Alto até a cidade La Paz, na Bolívia, o Santo Padre parou no local onde o corpo do sacerdote assassinado foi encontrado, localizado na entrada do bairro de Achachicala. E pediu um minuto de silêncio e depois, junto aos fiéis, rezou a oração do Pai-Nosso antes de seguir para o Palácio do Governo.